INTRODUÇÃO

Pedrinhas e Cedovém são dois Lugares à beira mar, situados entre Ofir e a Apúlia, no concelho de Esposende - PORTUGAL.

Localizam-se num lugar calmo em cima do areal, onde pode almoçar e jantar com uma gastronomia típica local e poder usufruir de uma paisagem natural marítima Atlântica a uma temperatura do Litoral do Sul da Europa .
Onde construções CELTAS desabrocham de fundações milenares, que resulta uma relação de interligação com a paisagem. Os caminhos e os percursos de acesso ainda se encontram em areia e criam uma composição que conjuga de forma perfeita entre a topografia e época das construções, o que dá um cunho único ao Lugar. Se estivermos acompanhados com alguém especial, imediatamente nos apaixonamos e nunca mais conseguimos cortar o "cordão umbilical" com este LUGAR cheio de magia e de uma beleza natural única.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

BOM NATAL E 2013


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Pedrinhas e Cedovém em 1895

 
Em 1895 o Lugar das Pedrinhas chamava-se Gramadoiro tendo tido origem de Grama d´Oiro. Nesta altura já havia as cabanas como também em Cedovém.


sábado, 24 de novembro de 2012

GOPRO HERO3 - Black Edition -

Câmara mais pequena, com mais claridade e duas vezes mais potente que a anterior.
Ferramenta essencial para criar registo do trabalho ou de lazer.
É usada na pesca, na exploração aquática, no surfe,no  kitesufing, em BTT, em tudo que se queira e com uma excelente qualidade...
...até mesmo no flyboard.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

João Cepa - Presidente da Câmara de Esposende quer usar apoios da Comunidade Europeia para demolir Património em Pedrinhas e Cedovém

Os moradores de Cedovém e das Pedrinhas não aceitam as demolições das casas e dos restaurantes junto à praia. O Plano de Ordenamento da Orla Costeira prevê a demolição de cerca de duzentos edifícios, entre os quais vários restaurantes, armazéns de pescadores e habitações.
Maria Cerqueira/ João Oliveira 20 Nov, 2012, 14:18 / atualizado em 20 Nov, 2012, 14:18
 


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Em 2007 Lugar das Pedrinhas foi considerado Património Edificado Arquitetónico pela DHVFBO e ICN

Sabiam que a empresa United Engineering Consultancies for Construction and Hydraulic Engineering of Rotterdam and The Hague, que prevalece com o nome DHV resultado dos nomes Dwars, Heederick e Verhey, que em Portugal apresenta-se com o nome DHV FBO, Empresa de Consultoria de Engenharia do Grupo Internacional DHV realizou o Plano de Ordenamento e Gestão do Parque Natural do Litoral Norte com o  ICN - Instituto da Conservação da Natureza, onde em Julho de 2007 apresentam uma planta de ordenamento e uma planta de condicionantes, onde atribui ao aglomerado do Lugar das Pedrinhas - Património Edificado Arquitetónico.



terça-feira, 13 de novembro de 2012

Esposende: Cedovém e Pedrinhas reclamam interesse municipal

«Quem mora, pesca e comercializa nos aglomerados de Cedovém e das Pedrinhas, em Apúlia, Esposende, não quer sair dali. Os populares reclamam “o interesse público” destes lugares, que segundo o Plano de Ordenamento da Orla Costeira, terão que ser os primeiros a ser demolidos, assim que houver verbas.
Clemente Palmeira é pescador e morador em Cedovém é uma das vozes que critica o desaparecimento” destes espaços - que assegura já muito terem sido fustigados pela construção do esporão há mais de 16 anos.
Já nessa altura fomos contra a construção do esporão e alertámos que iria conduzir à destruição da praia - o que acabou mesmo por acontecer e só não está pior porque lutámos para que metade fosse retirada”, contou o pescador, assinalando que em cerca de três anos, o esporão fez recuar o areal cerca de 150 metros - acabando por colocar à mercê as construções existentes.
Nós nunca precisámos de um esporão aqui, porque esta praia tem aqui um rochedo natural à volta que protege da erosão do mar”,
salientou.
José Godinho, arquitecto e também proprietário, é outra das vozes que discorda da execução do plano de ordenamento - que está a ser executado pelo programa Polis Litoral Norte - apontando para a importânciahistórica, cultural e patrimonial” dos lugares de Cedovém e das Pedrinhas. Trata-se de um conjunto de construções que originalmente serviam para guardar embarcações, alfaias agrícolas e recolha/armazenamento de sargaços.
As referências mais longínquas da existência destes aglomerados remontam a 1877 - “sendo usado pelas comunidades locais desde tempos imemoriais, precisamente para neles estenderem o sargaço e o pilado
”.
Assim consta do requerimento enviado em 2010 (tendo havido já outra tentativa em 2002) ao Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), assinado por vários professores universitários e arquitectos, em que a comunidade pedia a sua classificação.
O requerimento acabou por ser arquivado pelo IGESPAR, que no entanto, enviou o processo à câmara de Esposende com o objectivo de umaeven
tual classificação do conjunto com o grau de Interesse Municipal - facto que nunca se viria a concretizar.
Estes lugares têm uma história muito antiga, mas para além disso esta é também uma questão de sustentabilidade, porque há aqui pessoas que passam férias, mas também lavradores e pescadores que tiram daqui o seu sustento”, chama a atenção José Godinho. “Estes espaços merecem ser preservados, tirando partido até das oportunidades turísticas. A remoção aqui não faz sentido nenhum”.

Óscar Silva é também proprietário de uma das construções de Cedovém, que assinala o valor das edificações, considerando que se for requalificado como a comunidade entende poderá até ser transformado num local turístico como a Sortelha ou Monsanto.As edificações que mantêm a traça original devem ser preservadas e recuperadas”.Câmara quer manter apenas três construções
A câmara de Esposende diz que o conjunto de casas abarracadas, restaurantes sem as mínimas condições e onde alguns particulares têm ali a sua segunda habitação não têm interesse municipal, nem cultural, nem patrimonial”.O presidente da autarquia de Esposende, João Cepa, diz que “existe, sim, uma grande preocupação com as pessoas que têm nos lugares de Cedovém e das Pedrinhas a sua primeira habitação e com os pescadores que ali utilizam os armazéns de apoio à sua actividade - e esclarece que a pretensão da câmara é construir novos armazéns e restaurantes, com melhores condições, nas proximidades”.Tal como estão aqueles lugares não dão uma boa imagem à Apúlia e são sempre referidos como um ‘mau exemplo’ de ocupação da orla costeira”, disse.
A câmara de Esposende defende que sejam, todavia, mantidas e perpetuadas apenas “três das construções existentes (uma em Cedovém e duas nas Pedrinhas) - que considera ainda não terem sido muito adulteradas”.
“O objectivo é para que estas três casas passem para a gestão pública, a fim de ali serem instalados postos de informação turística e de apoio à actividade, como a venda de artesanato
”.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Conhece hoje a tua História para lhes explicares amanhã!

Publicação no Instituto Hidriográfico da Marinha de Portugal
Sabias que na carta hidrográfica da Costa de Portugal de Maio a Novembro de 1913, na representação de Cêdo Bem e do Lugar das Pedrinhas que antes chamava-se Gramadoiro, Frade, Cabanas de Fonte Boa tem na sua representação dois conjuntos de edificações e cuja soma é maior que o número de edificações de Fão?

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Haverá alguma relação do Projeto Windfloat com a morte das baleias?

A verdade é que ontem deu à costa mais uma baleia este ano e neste caso uma espécie com um porte de 18,5m de comprimento. A baleia esteve durante algum tempo em sofrimento na praia, depois de ter batido contra as rochas. Um outro exemplar conseguiu orientar-se e por-se a salvo.
Coincidências ou não, nunca antes tinha ocorrido tantas situações destas em tão pouco tempo. 
Precisamente este ano começou a funcionar o Projeto Windfloat. Haverá alguma relação do Projeto Windfloat com a morte das baleias? Todos nós sabemos que o barulho das pás eólicas é grande e também sabemos que o som emitido debaixo de água aumenta a percussão.
 
 
Haverá algum estudo de impacto ambiental?
Haverá algum estudo de relação directa ou indirecta do reino animal e biológico existente, quer seja de carácter permanente ou temporário com o próprio projeto Windfloat?
Haverá alguma incompatibilidade na relação directa desta tecnologia com o grande habitat do oceano, correntes marítimas e rotas migratórias de várias espécies?

Agora, para estas espécies existirá duas "ratoeiras"? Uma, que é a mudança das correntes com a existência dos esporões e agora uma outra, que é o windfloat?
 


Haver vamos, se o número de baleias, golfinhos (mamíferos marítimos) continuar a dar aqui à costa, a situação de relação entre um e o outro tem de existir com certeza.
 



segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Associação BirdLife dá Portugal como exemplo de "mau planeamento" na zona costeira



 
 
 
"Para a associação, especialmente em tempo de crise financeira, as prioridades têm de ser definidas, apontando "os benefícios diretos para a natureza e para o bem estar das pessoas" tal como "a redução de potenciais custos públicos futuros através de uma melhor regulação dos benefícios privados de curto prazo".
 
"A agência Lusa contactou o Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (MAMAOT), mas ainda não foi possível obter um comentário a este relatório em tempo útil."

sábado, 20 de outubro de 2012

"More Poor"tugal

O país cada vez está mais pobre. Grandes Homens das várias artes e do saber emigram, outros deixam-nos simplesmente. Foi o que António Pina Moura nos fez ontem.
Manuel António Pina foi vencedor o ano passado, é o 10º português a ser galardoado com o Prémio Camões naquela que foi a 23ª edição do Prémio. Antes dele, António Lobo Antunes foi o último português a receber o prémio, em 2007. À dois anos, o Camões, no valor de 100 mil euros, foi para o poeta brasileiro Ferreira Gullar. O primeiro vencedor do Prémio foi Miguel Torga, em 1989.
Entre as Obras mais importantes refiro duas: "Nenhuma palavra e nenhuma lembrança" e "O País das Pessoas de Pernas para o Ar".

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Polis Litoral Norte avança com obras de 68,7 milhões e Câmara de Esposende suspende a saída da Polis

Dinheiro digital
Correio do Minho


"A sociedade Polis do Litoral do Norte vai avançar com obras de 68,7 milhões de euros nos concelhos de Esposende, Viana do Castelo e Caminha, face à reavaliação que o ministério do Ambiente fez do programa"

"No entanto, em eixos prioritários, como na defesa da erosão costeira e na requalificação dos núcleos ribeirinhos, serão realizados todos os investimentos previstos inicialmente", explicou José Maria Costa.

Segundo José Maria Costa, as obras inicialmente previstas e agora suspensas ficam dependentes de "novas fontes de financiamento", nomeadamente através do próximo Quadro Comunitário de Apoio."

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Adriano Ribeiro é o nosso pescador salvador

Estamos todos orgulhos pela bravura de Adriano Ribeiro. No dia 21 de Agosto teve um dia tão atribulado em salvar pessoas de afogamento, que o Jornal JN, no dia 26/08/2012 lhe atribui uma página com uma grande fotografia de destaque e dá o titulo "Pescadores são anjos da guarda nas praias sem vigilância", e diz: "Só em dois dias, Adriano Ribeiro retirou seis pessoas da água quando o afogamento era certo."

A necessidade de criar um posto de vigia balnear para dar apoio a Cedovém e Pedrinhas é primordial. Não dizemos que seja nesta época balnear, mas seguramente na próxima 2013.

No próximo ano balnear, se houver algum afogamento. Já sabemos quem são os responsáveis.

 
Desta vez, o minímo que o ISN pode fazer é pagar as despesas que o nosso herói e anjo da guarda, Adriano Ribeiro teve.



quarta-feira, 15 de agosto de 2012

PERIGO PARA A SAÚDE PÚBLICA e a indiferença das entidades responsáveis!


No dia 15 de Agosto, com o mar revolto, deu um número elevado de animais mortos à costa. Não houve nenhuma entidade que tivesse a preocupação de proteger a saúde pública. Foi feriado nacional e o número de utentes na praia foi normal para o mês de Agosto.
Estrangeiros que passavam na praia ficavam indignados com o sucedido e o mau cheiro era considerável.

A indiferença das entidades responsáveis tornam-se num grande obstáculo na repercussão no resultado para o desenvolvimento positivo do turismo. A evidencia para os turistas Europeus, que têm e praticam a mesma legislação de proteção que a nossa, concluem que neste canto da Europa embora a lei exista, na prática a sua aplicabilidade não se efectua.


- Será que já não há doença das aves???

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Perguntas dos deputados que estão por responder!





Já lá vai meio ano e continuamos à espera de esclarecimentos que os deputados Jorge Paulo Oliveira e Eduardo Teixeira do PSD levantaram  sobre o esporão do Lugar das Pedrinhas e Cedovém, Apúlia, Esposende.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Programa "Olhos nos Olhos" Paulo Morais explica como funciona o urbanismo ordenamento do território em Portugal

Paulo Morais, docente e antigo vereador da CMP, explica como funciona o ordenamento do território em Portugal, proporcionando "mega" negócios com os terrenos.
A prática da compra aos pequenos agricultores de terrenos que valem 10 ou 100 e com um despacho administrativo ficam a valer 1000, consegue-se assim obter margens de ganhos que só é possível ter desta forma com o urbanismo ordenamento do território ou através do tráfico de droga.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

João Cepa aponta o dedo a uma das muitas leis absurdas Portuguesas

Lei do Domínio Público Marítimo
João Cepa no seu Blogue pessoal atribui o título "Roubo à Luz do dia" à lei que rege o Domínio Público Marítimo. Esta lei obriga todos o proprietários a fazerem prova em tribunal de todos os imóveis privados que ficam dentro dos 50 metros a contar da linha de água, sob o risco de os perderem, se não o fizerem.

É verdade que a atual lei do Domínio Público Marítimo ultrapassa toda a razoabilidade, a uma escala inimaginável e vai mais além da  atual austeridade que cuja ordem é não só taxar mais, pedir sacrifícios, aumentar impostos, aumentar desemprego, empobrecer e escravizar a população com a redução dos ordenados para o mesmo trabalho, mas também à tomada de posse descarada e imediata dos bens patrimoniais.

Se visualizarmos a carta geográfica nacional, veremos que 50% da fronteira Portuguesa  é pela linha de água do mar, se acrescentarmos mais a duplicar as margens dos percursos dos rios e os lagos, constataremos que os tribunais deste país  ficarão atulhados com processos que se irão arrastar infinitamente no intuito do simples cidadão invocar  a legitimidade do seu imóvel. A verdade é que irão ser criados  processos judiciais que só terminarão como terminam muitos projetos deste País. Sem nenhum resultado, pois o Estado não tem envergadura para a sua concretização. O Estado Português não tem a capacidade de absorver tanto património privado e só conseguirá fazê-lo se canalizar imediatamente para venda a quem de fora vier, ou então cairá aos bocados como muito do actual Património do Estado.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Inauguração da requalificação da marginal de Esposende

 

Presidente da Câmara de Esposende inaugura e ameaça abandonar o Programa Polis Litoral se este não executar os projetos previstos, para ele inaugurar.


domingo, 15 de julho de 2012

Dia de Portugal e de Camões

O Professor Doutor António Sampaio da Nóvoa faz um discurso nas comemorações de que à muitos anos não se ouvia.

O heroísmo nos dias de hoje é o das coisas básicas e simples:
  • Igualdade de oportunidades
  • Emprego
  • Segurança
  • Liberdades

terça-feira, 3 de julho de 2012

A CAPACIDADE DE EROSÃO DO ESPORÃO


A capacidade de erosão do esporão é tão grande que todo o sargaço que durante tantos anos encheu a praia e foi elemento de desenvolvimento local, agora o pouco que ainda consegue chegar à costa é levado novamente para alto mar na preia-mar.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Mas o Esporão faz mal? Explica-me como se eu fosse muito burro!

Eu vou-te explicar e até vou-te fazer um desenho:
Um esporão é uma barreira física que impede o transporte das areias, e para acumular de um lado retira do outro de forma acelerada, produzindo uma enorme erosão na costa marítima.

Com a construção do esporão das Pedrinhas produziu-se uma enorme erosão de areia, que se não existisse a praia seria pela linha vermelha.



A consequência maléfica do esporão

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A erosão da costa - Intervenções urgentes



TVI24

No programa Portugal Português da TVI 24,  João Cepa, Presidente da Câmara Municipal de Esposende chega a afirmar o que em 7 de Novembro de 2011 a Corema, Associação ambientalista já tinha dito: A Polis Litoral é uma falácia.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Mais de 400 milhões serão gastos no novo Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral

 
 «O novo Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL) a aplicar até 2015 prevê 303 ações, das quais 153 serão de prioridades máxima e elevada, e um investimento global superior a 400 milhões de euros.»

«Segundo o documento, elaborado pela Associação Portuguesa do Ambiente e ao qual a Agência Lusa teve hoje acesso, estão previstas tipologias de intervenção de defesa costeira e zonas de risco; estudos, gestão e monitorização; planos de intervenção e projetos de requalificação.
Para cada uma destas tipologias foram definidos quatro níveis de prioridade, com base no "grau de risco em presença" e na "necessidade de o reduzir, minimizar ou controlar".
...
Acrescenta que as áreas prioritárias de ação "dão conta das linhas mestras que vão contribuir para um litoral essencialmente melhor compreendido, melhor defendido e onde a grande prioridade são as ações que promovem a defesa de pessoas e de bens".
"Há uma ténue linha que separa um bom plano dum mau plano: a sua exequibilidade. Foi nisso que apostámos", escreve Assunção Cristas
Em termos de defesa costeira e zonas de risco, o documento identifica quatro intervenções de prioridade máxima. Duas destas em pontos diferentes de Castelo de Neiva, Viana do Castelo, e do portinho local, uma outra na defesa da duna primária em Moledo, Caminha,e ainda outra semelhante em Mindelo, Vila do Conde.
Na região norte, só estas operações representarão um custo estimado pelo PAPVL em 2,950 milhões de euros
....
No total, o novo plano prevê cerca de 35 milhões de euros de investimentos em 18 tervenções de prioridade máxima na defesa costeira e zonas de risco.

Na mesma área de intervenção, mas consideradas como de prioridade elevada, contam-se mais 31 intervenções que vão custar 37,6 milhões de euros. Entre os vários níveis de prioridade estão previstos investimentos, nesta área, na ordem dos 211 milhões de euros em 98 intervenções, incluindo ações dos a desenvolver pelas sociedades Polis.

Na componente de estudos, gestão e monitorização da costa este plano prevê 98 ações e um investimento de 16,4 milhões de euros, enquanto para planos de intervenção e projetos de requalificação serão gastos 189,4 milhões de euros em 182 ações a realizar até 2015.
 
O plano estabelece ainda que as intervenções pesadas, de "caráter excessivamente artificializador", só "deverão ser equacionadas em contextos muito específicos, em que o objetivo principal seja garantir o grau de proteção máxima", ou seja para "eliminar ou reduzir o risco ao mínimo possível".

"São exemplo as zonas de risco associadas a áreas urbanas ou fortemente urbanizadas e/ou a determinadas praias urbanas de uso intensivo", lê-se no documento.

Na defesa costeira e de zonas de risco o plano define intervenções "destinadas a garantir a segurança de pessoas e bens", com a proteção de património construído e natural de "importância relevante" e "com vista à eliminação, redução ou controlo do risco".

Também contempla intervenções de manutenção e reabilitação de obras de defesa e proteção costeira.

Lusa

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Ministério do Ambiente quer monitorização mais rigorosa da orla costeira

"A ministra do Ambiente disse hoje que pretende apostar numa monitorização mais rigorosa da orla costeira, definindo como prioridade a segurança de pessoas e bens e a prevenção de riscos nas arribas.
A ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território, Assunção Cristas, afirmou que o Plano de Ação de Valorização e Proteção do Litoral 2012-2015 quer assegurar que as ações de intervenção definidas sejam concretizadas.

Segundo dados da Agência Portuguesa de Ambiente (APA) hoje divulgados, até 2015 estão previstas 173 ações, sendo que 69 são para defesa costeira, 18 são para estudos e 86 referem-se a planos de intervenção e projetos.
A tutela não indicou os locais onde serão efetuadas as intervenções.
“O plano anterior [de 2007 a 2013] definiu muitas ações e teve uma baixa taxa de execução. Queremos agora olhar para essas ações e revalidá-las à luz da sua urgência e objetivo, e tornar o plano exequível”, afirmou a ministra na apresentação do novo plano, em Cascais.
Aos jornalistas, Assunção Cristas acrescentou que a “segurança das pessoas e bens e a prevenção de riscos, conjugados com os vários interesses do litoral” são o fator que irá determinar as prioridades.
A ministra realçou ainda a intenção de haver um maior rigor na gestão do plano, feito pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que irá desenvolver um “sistema [informático] de acompanhamento e monitorização constante”.
Assunção Cristas explicou que o sistema consiste numa “plataforma informática” que informa se determinada ação “está a ser bem executada, se está atrasada, com alertas concretos para esse atraso, para que se possa saber o que corre bem e o que corre mal”.
Sobre os investimentos, Assunção Cristas não quis adiantar valores, remetendo essa informação para a próxima semana, ocasião em que o documento será apresentado no Parlamento.
Contudo, a ministra disse que houve uma “preocupação para elaborar atempadamente a revisão” do plano para que, no próximo QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), ainda a ser revisto, já possam estar incluídas as verbas necessárias para assegurar a execução das ações até 2015.
“Há verbas disponíveis e reservadas nos planos ‘Polis Litoral’ e há outras que procuraremos alocar no quadro dos investimentos próprios do Governo nesta matéria”, concluiu.
O Plano de Ação de Valorização e Proteção do Litoral 2012-2015 ficará disponível na página da Internet da APA a partir da próxima semana com a calendarização e com os recursos adstritos a cada uma das ações."

asbeiras.pt

Assunção Cristas prolonga novo plano para o litoral até 2015

Ambiente online

«A revisão das prioridades foi feita tendo em conta a actual situação económica do País e o risco associado sobretudo para as populações. O plano anterior tinha muitas acções listadas mas sem a coerência adequada. Gostava de poder fazer obras de embelezamento, mas não é possível»

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

PORTUGAL encontra-se na situação económica presente porque quer!

Portugal tem uma excelente localização estratégia, que ao longo da sua história e mesmo a sua origem vêm da relação com o mar. A palavra porto é a zona  de abrigo das ondas e das correntes, onde implica ação portuária, mercantil, pescatória e toda a ação que o homem tem do mar para terra.
Portugal Continental que por si só tem a forma de uma porta de uma casa, possui um espaço marítimo "O Mar Português" que se localiza numa zona de acesso (entrada-saída) ao espaço Europeu, apresentando uma excelente condição para portajar, como faz nas autoestradas terrestre, controlar e policiar a passagem das mercadorias e todos os bens e serviços, que hoje este mundo globalizante exige haver.
A necessidade de criar plataformas de controle e estabelecer corredores marítimos ao longo deste espaço é uma prioridade que hoje nada está feito. 
É um trabalho que disponibilizará para este século e para os futuros material para uma II Vaga de Descobrimentos.
 
É um negócio económico altamente rentável.
É um giga negócio, que atualmente apresenta uma rentabilidade zero e que nos dias de hoje  é tão imperativo como urgente o estado Português implementar a sua regulação, gestão e a exploração deste espaço, que está mesmo à nossa frente, mas que no entanto diluímos-nos no horizonte.

No dia em que Portugal avançar com esse leque de serviços, será também esse o dia em que a sua situação económica ficará resolvida.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Entrevista com o Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território, Pedro Afonso de Paulo



"Como estamos em termos de execução dos planos de ação para o litoral?
O plano de ação para o litoral, que termina em 2013, tem uma taxa de execução financeira de 17%. De €480 milhões estão executados €84 milhões. Seria impossível cumprir aquele plano.

A que se deve uma tão baixa taxa de execução?
A várias razões: ao facto de haver competências dispersas por várias entidades e à dificuldades de financiamento. Não pretendemos aprovar mais nenhum plano sem ter um capítulo a avaliá-lo e métricas da eficácia da sua implementação

Em relação ao cadastro da propriedade, também colocaram de lado o modelo que tinha sido proposto pelo Governo anterior por o considerarem caro e moroso. Qual é o vosso modelo para o cadastro?
Recebemos um projeto piloto para fazer o cadastro em sete concelhos, mas sem dotação orçamental e com uma candidatura ao QREN mal instruída, porque não assegurava a comparticipação nacional. Resolvemos esses problemas e esse projeto, que envolve quase €24 milhões, vai continuar. Mas, com 308 municípios é fácil extrapolar que fazer o mesmo para todo o país custaria mil milhões de euros e levaria uns 30 anos. Seria difícil levar a bom porto. Em fevereiro deve ser aprovada uma resolução em Conselho de Ministros que pretende concentrar a informação cadastral dispersa em vários ministérios e criar um grupo de trabalho que junta o Ambiente, a Justiça e as Finanças. Não temos que iniciar o projeto de registo cadastral do zero, de Sagres a Vila Real. Temos de atuar em puzzle, como fizeram em Espanha, completando a informação de diferentes fontes e usando as mesmas nomenclaturas.

Quanto tempo poderá demorar?
Um ano serve para iniciar o registo cadastral obrigatório de algumas operações, como a dos planos urbanísticos. Depois é seguir a lógica de encher o puzzle com a ajuda das zonas de intervenção florestal (ZIF) e dos bancos de terra. Espanha fez a espinha dorsal do cadastro em sete ou oito anos."

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Na 1ª década do segundo milénio foi assim. A 2ª década está a ser assim ...

1ª década do segundo milénio na pesca Portuguesa

- Pagar para abater as embarcações de pesca;
- Entregar licenças de pesca;
- Cortar cotas nas pescas;
- Levantar coimas e autos aos intervenientes nas pescas;
 - Proibir a pesca em determinadas zonas;
- Criar dificuldades para o desenvolvimento da atividade piscatória;
...
2ª década...

PACOTE da U.E.


Add caption
 -

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O Munícipio de Esposende tem o dever de levar a concorrer algumas das suas praias

O Município de Esposende tem o dever de concorrer à eleição das "7 Maravilhas - Praias de Portugal". O Concelho tem excelentes praias como as Pedrinhas e Cedovém que têm nível a cima da média e reunem todas as condições para ganhar.


As “7 Maravilhas – Praias de Portugal” pretendem promover a qualidade ambiental de Portugal, nomeadamente dos recursos hídricos e a beleza da costa e dos rios e albufeiras, como fator decisivo na escolha de Portugal enquanto destino turístico.

No dia 7 de Fevereiro de 2012 serão conhecidos as 70 pré-finalistas e a 7 de Maio será divulgada a lista das 21 finalistas.
De 7 de Maio a 7 de Setembro de 2012, as 21 praias finalistas serão objeto de votação pública através de SMS, chamada telefónica, através do site www.7maravilhas.pt e plataforma facebook.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Jangadas que existiram até ao final do séc. XIX nas Pedrinhas e Cedovém


A jangada utilizada nas Pedrinhas era a jangada de Fonte-Boa. Uma jangada que parecia um carro de madeira com 4 rodas, tendo interiormente no fundo cortiça e nas bordas duas toleiras para a colocação dos remos, como podemos observar o desenho n.º 5 reproduzido por Baldaque da Silva.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

PESCA: do mar à mesa neste setor em crise

A TVI saiu com os pescadores e acompanhou o circuito comercial do peixe


Mágoa... o que sinto é mágoa.